Top

Você pode contribuir com o Combate ao Abuso e à Exploração Sexual Infantil!

Você pode contribuir com o Combate ao Abuso e à Exploração Sexual Infantil!

E aí, amigo(a)! Hoje, a nossa conversa é séria e impacta você, eu e todos que convivem em sociedade, ou seja, todo mundo. No dia 18 de maio, é o Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual contra Crianças e Adolescentes, e é sobre isso que eu quero conversar com você!

Diariamente crianças e adolescentes se tornam vítimas de abusos e/ou exploração infantil, por isso, a data tem o objetivo de destacar e mobilizar toda a sociedade a participar dessa luta para proteger nossas crianças e adolescentes, reafirmando a importância de realizar a denúncia e responsabilizar os autores de violência sexual contra a população infanto-juvenil.

Como identificar que uma criança precisa de ajuda?

Segundo Renata Viegas Alvim, Psicóloga e Psicanalista com ênfase em crianças e adolescentes, é possível perceber a mudança de comportamento de uma criança ao sofrer algum tipo de abuso. É importante perceber os sinais, que podem ser sutis, como o olhar de medo e incentivar a verbalização dos sentimentos.

Em alguns casos, a criança pode ter reações psicossomáticas, ou seja, ela pode manifestar fisicamente suas alterações emocionais, sentindo enjoos e náuseas. Por isso, o diálogo é essencial para desenvolver uma relação de confiança e perceber o abuso.

O Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH) divulgou que dos 159 mil registros feitos pelo Disque Direitos Humanos ao longo de 2019, 86,8 mil são de violações de direitos de crianças ou adolescentes. A violência sexual representa 11% das denúncias que se referem a este grupo específico, o que corresponde a 17 mil ocorrências.

No batidão, fique atento!

Nas rodovias do Brasil, de acordo com a Polícia Rodoviária Federal, há pontos vulneráveis à exploração sexual de crianças e esses pontos são mapeados a cada dois anos.

No último levantamento, foi identificado mais de 3.500 pontos que são mais perigosos para as meninas e os meninos. Em 2018, eram 2.487 regiões, ou seja, houve um aumento de quase 50%. Minas Gerais, Bahia e Paraná são os estados que concentram o número de regiões que devemos ter atenção, e os postos de combustível são os lugares mais comuns de encontrar crianças neste tipo de situação.

Como denunciar?

Acesse aqui para ver a cartilha da campanha do Governo Federal

Em uma viagem, pode ser que você, amigo(a), veja uma criança em situação de vulnerabilidade, por isso, denuncie! 

Disque 100 – Vítimas ou testemunhas de violações de direitos de crianças e adolescentes, como violência física ou sexual, podem denunciar anonimamente pelo Disque 100.

Disque 180 – Em casos de violência contra mulheres e meninas, seja violência psicológica, física ou sexual, causada por pais, irmãos, filhos ou qualquer pessoa. O serviço é gratuito e anônimo.

Polícias – Quando estiver presenciando algum ato de violência, acione a Polícia Militar por meio do número 190. Também é possível acionar as Delegacias Especializadas no Atendimento à Mulher e as de Proteção à Criança e ao Adolescente da sua cidade.

Safernet Brasil – A rede recebe denúncias de cyberbullying e crimes realizados em ambiente online. Para denunciar, acesse https://new.safernet.org.br/ 

– Caso algum canal não funcione, procure a rede de Assistência Social do município que estiver, eles poderão fazer a ponte com os serviços disponíveis. A IVECO reconhece a importância desse tema, e você deve reconhecer também! Por isso, compartilhe este post com os seus colegas, para que cada vez mais possamos proteger nossas crianças e adolescentes.

Iveco Brasil