Topo

Vagas para motoristas nos Estados Unidos

Vagas para motoristas nos Estados Unidos

Vagas para motoristas nos Estados Unidos

Olá, nesta coluna irei abordar um assunto que virou polêmica essa semana: o anúncio de que os EUA terão falta de cerca de 50.000 profissionais do volante até o final do ano.

Até aí tudo bem, pois não tem muito tempo, a mídia nacional informava que o Brasil estava precisando de mais de 100.000 caminhoneiros. O problema foi como a informação foi abordada. Estamos passando por momentos difíceis em nosso país, e receber uma noticia dessas vindo dos “States”, pode ser o sonho de muitos. Porém, devemos levar em conta que não estamos preparados para ocupar essas vagas.

A falta de caminhoneiros é uma realidade vivida em todo o mundo. A nova geração não se vê mais tão interessada em viver essa vida, e o setor em geral não ajuda, dificultando ainda mais a rotina do profissional. Mas claro, comparando os mercados, sem dúvida ser motorista nos EUA é muito melhor. Contudo, não devemos ignorar o lado ruim da profissão, pressão pelo trabalho, horários apertados, solidão, estresse do trânsito, sedentarismo, entre outros. Realidade vivida por qualquer caminhoneiro, seja onde quer que esteja, e isso afasta cada vez mais as futuras gerações.

A abordagem do assunto feita pela mídia especializada foi, em sua maioria, sensacionalista e boa parte infelizmente estava mais preocupada com as visualizações do que em abordar o tema com seriedade.

Portanto, devemos ter consciência de que essa informação vinda dos Estados Unidos serve para termos uma base de como está se comportando a profissão mundo afora e não como a solução de nossos problemas. Os americanos precisam sim urgentemente preencher as vagas, mas antes, precisamos atender a diversos requisitos exigidos para estrangeiros, e muitos de nós não estão preparados.

Se não está por dentro do que é necessário para se tornar um caminhoneiro na América, peço que confira esses vídeos abaixo do Marcos, caminhoneiro brasileiro nos EUA:

Iveco Brasil
1 Comment
  • Pércio Guimarães Schneider

    São realidades completamente diferentes. Nos EUA, quando a economia está em alta como agora, motoristas migram para trabalhar no comércio e assim poder ter endereço fixo e ficar junto da família. Quando a economia está em baixa, com demissões e redução de postos de trabalho, migram de volta para as boleias. Não é a primeira vez que isso acontece.

Postar um comentário