Top

ONU afirma que Camada de ozônio estará recuperada até 2050

ONU afirma que Camada de ozônio estará recuperada até 2050

Pela primeira vez em décadas, a camada de ozônio caminha para ser plenamente recuperada, depois de uma importante deterioração. Ela pode estar completamente reconstituída até 2050, com um forte impacto sobre as condições climáticas no Hemisfério Sul.

O buraco sobre a Antártica deve começar a se reduzir a partir do ano de 2020. A constatação foi publicada pela ONU, depois de realizar por quatro anos um estudo com 300 cientistas, inclusive brasileiros. Em 2010, o informe apontava que não havia qualquer tipo de sinal de melhoria. Agora, a entidade comemora a descoberta e alerta que a recuperação apenas foi garantida graças a uma cooperação internacional.

O mesmo modelo, segundo a ONU, deve ser usado como exemplo para os futuros acordos entre governos para lidar com o clima. Segundo o diretor-executivo do Programa da ONU para Meio Ambiente, Achim Steiner, até 2050 a projeção aponta que a camada poderá voltar a seus níveis de 1980, data que serve de referência. O auge do problema foi identificado em 1993.

Agora, a constatação é de que, a cada ano, a concentração de gases nocivos tem caído em 1%. A previsão é de que, diante desse cenário, 2 milhões de casos de câncer de pele conseguiram ser evitados até 2030. Se todas as emissões de gases foram interrompidas, a camada estará recuperada no ano de 2039, um cenário que os cientistas admitem que não é mais realista.

Nem todas as regiões reagirão da mesma forma. As taxas estarão recuperadas antes da metade do século em latitudes médias e no Ártico. A camada de ozônio protege a terra de raios ultra-violetas emitidos pelo sol e, diante da emissão de diversos gases, estava perdendo sua força com a formação de buracos que chegaram a ter a dimensão de verdadeiros continentes.

Iveco Brasil