Top

Marcas do bem 2

Marcas do bem 2

Já mostramos aqui quais são os selos e certificações que distinguem as empresas que têm boas práticas ambientais e sociais no Brasil. Agora, o país acaba de lançar a certificação sustentável para calçados. Batizada de Origem Sustentável, a iniciativa pretende avaliar o grau de comprometimento das empresas do setor coureiro calçadista com a sustentabilidade, com base em 52 diferentes critérios, agrupados em quatro pilares: cultural, ambiental, social e econômico.

“Analisamos a atuação da empresa desde o momento da compra da matéria-prima até a hora da entrega do produto final, levando em conta quesitos como gasto de energia, nível de poluição, consumo de água, descarte de resíduos, legislação trabalhista, não utilização de substâncias tóxicas e relação com funcionários e comunidade do entorno”, explica Valdemar Masselli Jr., vice-presidente de Inovação e Sustentabilidade da Assintecal – Associação Brasileira de Empresas de Componentes para Couros, Calçados e Artefatos

O programa de certificação, que é auditado pela System & Service Certification (SGS) e pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), possui cinco diferentes selos, conforme as iniciativas das empresas. “Queremos incentivar nas empresas o compromisso de gerenciar e melhorar seus resultados. O conceito de calçado sustentável, com certeza, ampliará as oportunidades no mercado internacional e dará maior competitividade às marcas. A Europa, por exemplo, não aceita mais o ingresso de determinados produtos em seu território”, explica Marcelo Nicolau, presidente da Assintecal.

Ainda não existe uma identidade visual que informe, na hora da compra, a participação da marca no Origem Sustentável e seu grau de comprometimento com a sustentabilidade. Por enquanto, para se manter atualizado a respeito de quais empresas estão participando da iniciativa, consumidores devem procurar as associações envolvidas no programa.

Projeto irá avaliar o grau de comprometimento das empresas do setor coureiro calçadista com a sustentabilidade

Fonte: Planeta Sustentável, por Débora Spitzcovsky

Rede Comunicação