Topo

Os perigos e cuidados para dirigir à noite

Os perigos e cuidados para dirigir à noite

Os problemas e dificuldades para guiar à noite envolvem o motorista, a estrada e o carro. Cerca de 38% dos acidentes ocorrem no período noturno e a maioria das ocorrências são registradas em rodovias em boas condições.

Além da imprudência de alguns motoristas que aproveitam as estradas mais vazias, devido ao horário, a ciência também explica que no período noturno a visão periférica é reduzida, fica tubular, borrada e não conseguimos dimensionar espaços, distâncias e velocidade com a mesma exatidão que temos durante o dia.

Veja os cuidados para dirigir com segurança à noite

Para se prevenir quando for conduzir no período noturno, veja alguns cuidados importantes que aliados à prudência e atenção são as melhores atitudes para evitar acidentes:

Ofuscamento: existem motoristas que podem ficar cegos por um curto período de tempo quando encaram uma luz brilhante e demoram a se recuperar da cegueira, sobretudo os motoristas mais idosos. Por isso deve-se usar a correta regulagem dos faróis baixos e usar os faróis altos apenas quando necessário, para não afetar os demais motoristas.

Fadiga e desatenção: são problemas comuns a quem dirige muito à noite. A necessidade de dormir foge ao controle da própria pessoa e a sonolência torna os reflexos mais lentos. Naturalmente tendemos a relaxar e assim a probabilidade de ocorrer algum acidente é maior.

Pouca iluminação: as rodovias somente contam com iluminação nos trechos urbanos, saindo deste perímetro as estradas são  escuras, escondendo perigos que poderiam ser facilmente vistos de dia.

Luzes: para que o motorista possa ver e ser visto durante a noite, as luzes de posição (lanternas) e os faróis baixos devem estar limpos, regulados e em perfeito funcionamento.

Para-brisas e espelhos: é importante ter o para-brisas e os espelhos do carro limpos e ajustados corretamente. Na escuridão, as luzes podem refletir na sujeira do vidro ou do espelho e prejudicar ainda mais a visibilidade.

Fonte: Revista O Carreteiro e portal Motor Dream – Uol

Rede Comunicação