07 ago Especial

Exército Brasileiro e Iveco confirmam pedido de 86 veículos blindados Guarani

O contrato para aquisição de 86 viaturas VBTP-MR Guarani, que irão compor o lote utilizado para exercícios militares, foi assinado hoje (7) pela Iveco e o Exército Brasileiro, em Brasília. A cerimônia reuniu o Ministro Celso Amorim, o Comandante do Exército, General Enzo Peri, do presidente da Iveco Latin America, Marco Mazzu, e do diretor geral da divisão de Veículos de Defesa da Iveco Latin America, Paolo Del Noce, no Salão de Honra do Gabinete do Ministério da Defesa.

O presidente da Iveco, Marco Mazzu, cumprimenta o Ministro da Defesa, Celso Amorim, na assinatura do contrato com o Exercito Brasileiro para a producao de 86 Guarani

Classificado como um blindado para o transporte de pessoal, o Guarani é um veículo com tração 6×6, resultante de um desenvolvimento conjunto entre o Exército Brasileiro e a Iveco. Essas viaturas passarão por uma exigente experimentação operacional, sob as mais variadas condições de clima e terreno, completando o ciclo do seu desenvolvimento. “O Guarani faz parte do projeto de relançamento da indústria brasileira de defesa e sua produção no País é fundamental”, indica o General Sinclair Mayer, chefe do Departamento de Ciência e Tecnologia do Exército.

A produção dos blindados será em fábrica totalmente dedicada e que atualmente se encontra em construção dentro do complexo industrial da Iveco em Sete Lagoas (MG). A Iveco está investindo R$ 55 milhões na construção e a inauguração está prevista para o segundo semestre de 2012. A produção já começa com índice de conteúdo local acima de 60%. Quando a fábrica estiver operando em capacidade máxima (média de 100 unidades por ano), a cadeia produtiva deverá envolver, no país, cerca de 110 fornecedores diretos e até 600 fornecedores indiretos.

  • http://www.bonno.com.br Fabiano

    Parabens!

Atenção: Os comentários aqui publicados são de exclusiva e integral responsabilidade e autoria dos leitores deste blog. A Iveco reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar caluniosos, difamatórios, ofensivos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros, assim como, textos de caráter promocional ou inseridos no sistema sem a devida identificação de seu autor (nome completo e endereço válido de e-mail).